Zibelina Animal

Zibelina, Espécie, Família e Características

O nome científico da Zibelina é Martes zibellin, pertence a Família de Mustelideos e sua espécie é Martes. Pode ser também conhecida em alguns países como sable, sendo muito usual nos países Europeus. Há suspeita de que este nome tenha se tornado muito popular, já que em períodos medievais a comercialização de peles e casacos feitos a partir deste animal tenha se tornado muito comum, principalmente pela característica de possuir muitos pelos mais finos, e desse modo foi e ainda é considerados uma pele de alto valor.

Os machos e fêmeas diferem-se em seus respectivos tamanhos, sendo que os animais masculinos variam de 38 a 56 centímetros de comprimento e em contra partida o sexo oposto tem uma oscilação de 35 até 51 centímetros. Se tratando de tamanho de cauda, estes podem atingir a máxima de 12 centímetros, e mínimo de 7 centímetros. Quanto ao seu casaco natural de pele, este tende a ser mais espesso, grosso, sedoso e luxuoso no período de mais frio.

Existem indícios de que existem cerca de 34 subespécies de Martes Zibellin, as variações podem ser sentidas e observadas pela tonalidade de cor de sua pele, oscilando de um marrom mais claro a um mais escuro, e tons diferenciados na região do peito, ventre, costas e pernas. Esta diferenciação se deve também a localidades diferenciadas que tais animais podem ser encontrados.

Possuem um corpo bem alongado, a cabeça é achatada frontalmente, mas um um formato mais arredondado. Possui orelhas curtas e bem definidas e olhos grandes. Geralmente o pelo facial possui uma coloração mais clara quando comparada com o restante do corpo.

Comportamento

Seu habitat natural são florestas densas, fazem morada em terrenos baixos e planos como também em regiões montanhosas. São animais que defendem e lutam pelo seu território, dependendo de importantes fatores como a disponibilidade de alimentos que determinado lugar oferece. A área que costumam habitar e defender varia de 4 até 30 quilômetros quadrados, isso quando há uma relativa fartura em suprimentos, mas quando o terreno oferece poucas fontes calóricas, estes pequenos animais podem viajar longos caminhos diários, podendo atingir de 6 até 12 quilômetros.

Estes pequeninos vivem em locais próximos a rios, lagos e dentro de densas florestas. Suas tocas são construídas muito escondidas, preferencialmente perto de raízes das árvores. Gostam de revestir seus ninhos internos com capim e parte de suas peles que se soltam, principalmente em épocas de menores temperaturas. São ótimos para escalar árvores e grandes penhascos. São mais ativos durante o dia, mas preferem sair para a caça no período noturno.

Dieta e Alimentação

São animais onívoros, ou seja, sua dieta provém tanto de fonte animal como também vegetal. No inverno costumam ficar bloqueados, em relação a saída para caça, por conta do gelo e neve, mas costumam se alimentar de roedores, cervos de musk e bagas selvagens. No verão comem lebres, mamíferos menores, pequenos pássaros, moluscos, peixes, lesmas. Também costumam seguir rastros de animais de maiores portes como ursos e lobos e se alimentam dos restos e sobras anteriores deixadas.

Reprodução

Para chamar a atenção das fêmeas os machos brigam violentamente, emitem sons agudos semelhantes ao rugido de gatos, pulam, correm e se arrastam pelo chão acompanhados por urina. O ato do acasalamento tem uma variação de duração, que em média perduram 8 horas. O período de gestação compreende entre 250 a 398 dias, embora o desenvolvimento do embrião só necessite de 30 dias para se desenvolver. A explicação que se dá é que logo após a inseminação o blastocisto não se fixa imediatamente na parede do útero da fêmea.

É muito comum o nascimento de cerca de um a três filhotes por casal, e este nascem com aproximadamente 35 gramas e em média 12 centímetros de comprimento, com os seus olhos fechados e com uma finíssima cobertura de pelos pelo corpo. Começam a enxergar, com a abertura dos olhos a partir do 35º dia, e com sete semanas de idade estes param de mamar e começam a dieta regular de animais adultos. Sua vida sexual têm início a partir dos dois anos de vida. Em vida domesticada chegam a viver até 22 anos, já na vida selvagem até 18 anos.

Distribuição Geográfica

São animais que habitam principalmente florestas montanhosas da Sibéria, e outros países como a Rússia, Mongólia, China, Japão, Cazaquistão e Coréia do Norte. Têm presença marcante principalmente na Rússia, e no ocidente compreende os monter Urais, leste da Ásia. Na Mongólia ocorrem em florestas que ficam ao entorno do lago Hovsgol, nas montanhas do Altai. Na China é possível observá-los na montanha Daxinganling, Xiaoxinnganling, além de Hokkaido e na Coréia.

Riscos e Extinção, Utilização de Sua Pele

A pele deste animal é considerado um bem de luxo, e historicamente foi utilizado em casacos e bens de consumo. A caça deste animal, mesmo sendo selvagem é muito comum na Rússia, há também fazendo de criação deste para venda de suas peles.

Dentre a família desde animal, esta espécie é a que mais foi valorizada, principalmente em períodos anteriores, como na Idade Média. Têm como características ser uma pele mais matizada, sedosa, e mais bonita. Como seus pelos são mais finos, a cada carícia que o pelo recebe, este permanece suave. Já foi citado pelos romanos, estes o chamavam de “Velo Dourado” e sacerdotes de Bizâncio utilizavam o animal para rituais que realizavam.

Na Inglaterra foi muito difundida, estas peles eram amplamente valorizadas e seus preços altos foram motivos de algumas conquistas de terras, levando-se em conta a população desses animais que existiam em tais locais, a citar a conquista da Sibéria pelos russos. Até a descoberta da pele de lontras do mar, as peles da zibelina era a mais favorecida comercialmente pelos russo. Em alguns locais a caça de zibelinas era tarefas direcionada a condenados.

Com a caça intensificada deste animal durante o século XX, houve um imenso declínio da população deste e em 1935 foi delimitado a caça da zibelina e em conjunto foi instaurado a possibilidade de criação deste fonte comercial em fazendas. No mercado internacional, as peles russas possuem um valor maior do que em outras localidade, já que são consideradas mais luxuosas e de melhor qualidade.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Pequenos

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *