Espécies de Peixes

Você sabia que os peixes compõem a maior classe de espécies no grupo dos vertebrados? Estima-se que os peixes tenham aparecido no planeta há cerca de 45 milhões de anos. Sua predominância no grupo dos vertebrados se justifica devido ao fato de estar presente em água doce e água salgada. Um grupo heterogêneo como esse conta com uma grande variedade de espécies, existe cerca de 24 mil espécies.

Dentre as espécies de peixes mais da metade habita as águas salgadas e seu tamanho em média varia entre 1 e 18 metros. Acredita-se que foi a primeira espécie de vertebrados a surgir em nosso planeta. Nesse momento em que surgiram eram pequeninos e não contavam com mandíbula. A coluna vertebral era do tipo cartilaginosa e foram sendo realizadas modificações ao longo do tempo para que os peixes pudessem se adaptar.

Nessa fase de mudanças os peixes passaram de animais sem mandíbula e sem capacidade de morder, em condição de meros filtradores, para eficientes predadores. Todas as adaptações que foram acontecendo nos peixes e sua divisão em diferentes espécies contribuiu para lhes garantir a hegemonia dentre os vertebrados.

Características das Espécies de Peixes

Os peixes são exemplos de como a natureza é inteligente e promove adaptações coerentes com o ambiente em que eles vivem. Dentre as principais características que fazem dessas espécies preparadas para tal ambiente estão as seguintes:

– Forma do Corpo

A característica fundamental para que os peixes tenham um bom desempenho em relação a sua vida na água é a forma do seu corpo que é levemente achatada nas laterais e longo. Com esse tipo de corpo é mais fácil para os peixes se deslocarem.

– Escamas de textura lisa

A textura e a forma como as escamas estão distribuídas pelo corpo faz toda a diferença na hora de reduzir o atrito do peixe com a água.

– Nadadeiras

A locomoção dos peixes é feita por meio do uso de nadadeiras que podem estar situadas em qualquer parte do corpo.

Questão de Temperatura

Uma das facilidades que os peixes têm é o fato de ser animais pecilotérmicos, isso significa que a temperatura do corpo varia de acordo com a temperatura do ambiente em que estão inseridos. Normalmente a temperatura do corpo está de acordo com a temperatura do ambiente.

Como os Peixes Respiram?

Talvez você já tenha se perguntado como os peixes respiram vivendo submersos. Grande parte das espécies de peixes respira por brânquias que podem ser chamadas de guelras. Nesse processo a água entra através da boca de maneira a inundar as brânquias e então é eliminada por meio das laterais da cabeça. As brânquias possuem uma série de vasos sanguíneos.

Dessa forma após ser dissolvido na água passa ao sangue. Da mesma maneira o gás carbônico que é formado no organismo dos peixes sai do sangue para a água de maneira que é então eliminado do corpo. Nos peixes o coração é dividido em somente duas cavidades sendo o átrio e o ventrículo. No coração passa somente sangue sem oxigênio.

O que os Peixes Comem?

As espécies de peixes podem conter indivíduos herbívoros, carnívoros e dentritívoros.

Peixes Herbívoros

São aqueles que se alimentam de algas principalmente.

Peixes Carnívoros

Nesses casos os peixes podem se alimentar de outros peixes e diferentes tipos de animais como crustáceos, moluscos e outros.

Peixes Detritívoros

Bastante comuns em zonas abissais, abismos em que não chega a luz, são peixes que se alimentam dos restos orgânicos que vem da superfície que possui iluminação.

Como é o Sistema de Digestão dos Peixes?

Esse sistema nos peixes é composto de:

  • Boca
  • Faringe
  • Esôfago
  • Estômago
  • Intestino
  • E algumas glândulas anexas como pâncreas e fígado.

Espécies de Peixes Têm Sentidos?

As espécies de peixes possuem órgãos dos sentidos que lhes permite formar imagens através dos seus olhos, sentir cheiros e até mesmo sentir a variação de pressão dos ambientes.

Formação de Imagens

Os peixes conseguem ter a formação de imagens com nitidez a curta distância, porém, a longa distância tendem a ver somente movimentos sendo realizados. Algumas espécies tem a capacidade de enxergar cores.

Sentindo Cheiros

O olfato é um dos sentidos mais desenvolvidos em peixes que podem distinguir cheiros dissolvidos na água com grande facilidade. Um exemplo disso é o tubarão que pode detectar cheiro de sangue a uma grande distância. Essa percepção se deve a presença de células situadas nas narinas.

Linha Lateral

Os peixes contam com fileiras de poros nas laterais do seu corpo de maneira que conseguem ter a percepção de variação de pressão que acontece em diferentes zonas do oceano. Esse sentido é fundamental para escapar do ataque de um possível predador a partir da sensação de variação de pressão. O sentido dado pelos poros ainda facilita o deslocamento dos peixes por águas escuras.

A Classificação das Espécies de Peixes

Basicamente os peixes são divididos em duas classes que são condrictes que são aqueles que possuem cartilagem e os osteíctes que se referem aos peixes que possuem ossos. Dentre as espécies que são conhecidas de peixes a maior parte delas é de animais classificados como ósseos. As diferenças entre os peixes cartilaginosos e ósseos são bastante significativas.

Peixes Condrictes (Cartilaginosos)

Os dois principais representantes desse tipo de peixe são o tubarão e a raia. Em geral eles vivem em água salgada, contudo, existem algumas raias que são de água doce. A principal característica das espécies de peixes cartilaginosas é ter esqueleto cartilaginoso que é bem leve.

Os animais que estão inseridos nesse grupo contam com cinco pares de fendas branquiais além de um orifício chamado de espiráculo que é por onde a água entra para poder alcançar as brânquias. A boca nos peixes condrictes fica localizada ventralmente e o intestino culmina numa bolsa que é a cloaca. A cloaca é o ponto em que chegam os dutos finais do sistema de digestão e também do sistema urinário e genital.

Reprodução dos Peixes Condrictes

Normalmente a fecundação em peixes cartilaginosos é interna, o processo é simples. Os machos introduzem os seus espermatozoides no corpo das fêmeas para que possam então ser fecundados. Desses ovos nascem os filhotes que são versões pequeninas dos peixes já adultos.

Peixes Osteíctes (Ósseos)

Cerca de 95% das espécies de peixes que são conhecidas estão no grupo dos peixes ósseos. As espécies osteíctes são encontradas tanto em água doce (pintados, dourados, acarás-bandeira entre outros) como em água salgada (cavalos-marinho, tainhas, pescadas entre outros).

Os peixes osteíctes se caracterizam por ter um esqueleto em grande parte ósseo e possuir quatro pares de fendas de brânquias, eles não têm espiráculo como os cartilaginosos. A proteção das brânquias nesse caso se dá através de uma estrutura que é chamada de opérculo. A boca nesses peixes está localizada na região anterior ao intestino que culmina no ânus e não na cloaca.

Muitas das espécies do grupo dos osteíctes possuem uma vesícula na qual são acumulados gases e outras substâncias que recebe o nome de bexiga natatória ou ainda vesícula gasosa. A bexiga natatória é um diferencial interessante para os peixes ósseos uma vez que favorece a sua economia de energia favorecendo a flutuação. A bexiga tem a capacidade de aumentar e diminuir de tamanho permitindo manter a estabilidade mesmo num grande profundidade.

Reprodução dos Peixes Osteíctes

O processo reprodutivo dos peixes do grupo dos Osteíctes é geralmente externa, basicamente macho e fêmea liberam na água seus gametas para que ocorra a fecundação do óvulo. Então se forma o zigoto, o desenvolvimento costuma ser indireto recebendo o nome então de alevinos.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Aquáticos

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *