Caranguejo Yeti

Você já pensou que prático seria poder criar a sua própria comida? Conheça o caranguejo chamado de Yeti que consegue produzir seu alimento. Mas, não é somente isso que torna essa espécie interessante, o nome Yeti se refere ao visual do animal que parece coberto de pelos brancos tal qual os homens das neves conhecidos como Yetis ou abominável homem das neves. Um caranguejo tão peculiar que merece uma investigação mais profunda a seguir.

Conhecendo Melhor o Caranguejo Yeti

Esses animais são chamados também de lagostas Yeti devido ao seu aspecto com longos ‘braços’. Foram identificadas até o momento três espécies que são conhecidas como caranguejo Yeti: Kiwa hirsuta (descrita em 2005), Kiwa puravida (descrita em 2006) e Kiwa tyleri (descrita em 2015). A espécie é encontrada nas profundezas dos oceanos, com mais frequência nas fontes hidrotermais e emanações metânicas (locais em que leito o marinho é rico em metano e sulfereto de hidrogênio).

Descoberta do Caranguejo Yeti

A descoberta desse crustáceo foi feita pelo ecologista marinho Andrew Thurber em 2005 próximo da Ilha de Páscoa. Porém, a identificação e nome científico Kiwa puravida foram atribuídos somente um ano depois.

Kiwa tyleri

Em 2010 uma equipe com foco em pesquisas de fontes hidrotermais identificou uma nova espécie para o grupo dos caranguejos Yeti que viria a ser descrita somente em 2015. Os ‘primos’ dos caranguejos puravida enfrentavam muito mais dificuldades no seu ambiente, a Antártida. O principal problema enfrentado por esses crustáceos está no fato de que se ficam muito perto das fontes hidrotermais cozinham, mas se ficam muito distantes acabam congelando.

Os pequenos caranguejos, que medem entre meio e 15 centímetros, vivem em blocos bem próximos uns dos outros para se esquentar. Em apenas um metro quadrado pode ter mais de 700 desses crustáceos. Os conceitos de adaptação de Charles Darwin são facilmente observados no caso dessa espécie que se mostra mais robusta que os Yeti do Pacífico com apêndices menores. Um ponto curioso é que as fêmeas dessa espécie em alguns momentos se dirigem para as regiões mais frias. Os cientistas acreditam que a temperatura baixa é necessária para a sua reprodução.

Alimentação do Caranguejo Yeti

A base alimentar dos caranguejos Yeti consiste em bactérias que fazem a oxidação do enxofre. Diz-se popularmente que esses animais tem a capacidade de produzir o seu próprio alimento pela relação simbiótica que tem com as bactérias que ingerem. As bactérias que servem de alimento para os caranguejos Yeti vivem nas fontes hidrotermais e para que possam se alimentar necessitam de oxigênio.

Os caranguejos dessa espécie usam os seus apêndices bastante longos para movimentar a água permitindo então que o oxigênio chegue às profundezas bem como movimentando o sulfureto de hidrogênio. Sendo assim podemos dizer que os caranguejos alimentam as bactérias. Quando deseja se alimentar esse caranguejo usa as pinças da sua boca para fazer a ‘colheita’ de bactérias.

Alimentação Diferente

Embora a espécie tenha sido descoberta apenas em 2005 já se tem algum conhecimento sobre a mesma. Os cientistas já perceberam que a fonte de alimentação principal dessa espécie é mesmo as bactérias e não plânctons fotossintetizantes como no caso de outros crustáceos. Um estudo a respeito do mecanismo de vida desse caranguejo identificou que ele não usa energia do sol como energia para o seu corpo e sim energia química proveniente das bactérias.

Por que os Caranguejos Yeti São Peludos?

Os pelos presentes nesses caranguejos se devem a necessidade criada pela falta de sol no local em que eles vivem. Essa pelagem ajuda a proteger esses animais bem como contribui para que possam atrair bactérias das quais se alimentam.

Caranguejo Yeti Seria Cego?

Mais uma curiosidade sobre essa espécie é o fato de que os cientistas acreditam que os caranguejos Yeti são cegos, pois seus olhos são muito pequeninos e sem pigmentação.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Aquáticos

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *