Porcos do Mar

Tal nome é dado pela similaridade em relação à sua forma e tonalidade de cor. Este pequeno animal é uma espécie de pepino-do-mar e pertence ao filo dos equinodermos, classe Holothuroide (de corpo alongado, tecido conectivo, ossos microscópicos, endoesqueleto) e gênero Scotoplanes. Hoje conhecemos cinco espécies: Scotoplanes clarki, Scotoplanes globosa, Scotoplanes hanseni, Scotoplanes kurilensis e Scotoplanes theeli.

De acordo com o blog echinoblog (Chris Mah, blogueiro e Doutor pela faculdade de Illinois, pesquisa evolutiva e biologia dos asteróides), tal espécie foi descrita primeiramente por Hjalmar Théel, em uma expediação no ano de 1882, pelo navio de pesquisa HMS Challenger. Ainda hoje, pouco se sabe sobre reprodução e comportamentos desses pequenos animais.

Possui um formato oval, arredondado e seu tamanho pode variar de quatro a dez centímetros de comprimento. Os porcos do mar possuem pés que funcionam com movimentos hidráulicos, seus apêndices locomotivos inflam e possibilitam o deslocamento. Localizado na parte superior de sua estrutura corporal, há três pares de tubos que se assemelham a antenas, porém estas podem funcionar tanto como pés – para impulsionar- como também com função sensorial. Duas são mais alongadas e um par é mais curto. Em seu esqueto bucal, possui tentáculos que utilizam para revirar a superfície e capturar as partículas alimentares, agindo como uma varredura na planicie do fundo dos oceanos.


Estes pequenos seres podem ser encontrados nas zonas abissais, nos oceanos atlântico, pacífico, índico, ártico e antártico. Apesar de estarem presentes em todas as áreas marítimas do mundo, raramente são vistos, já que seu habitat é abaixo dos 4000 metros do nível do mar, preferem habitar águas mais frias.

Como não há muitos estudos desenvolvidos acerca dos scotoplanes, o que se sabe sobre seu comportamento é muito raso. Já foram registrados grandes grupos de 300 a 600 indivíduos, porém há dúvidas a respeito, se seria algum tipo de comportamentos sociais ou se seria somente por justificativa alimentícia. É sabido que há uma ligação direta sobre o que ocorre na supercífie da água marítima e sua dieta nas profundezas.

Como todos os seres vivos, o Scotoplanes também possui algumas dificuldades de sobrevivência! Segundo o echinoblog, já foram encontrados dois tipos de parasitas em seus corpos. Caracóis que se fixam na parede do porco do mar e faz sucção de seu suco interno. E há também um tipo de parasita de crustáceo, que por meio de um orifício na sua superfície corporal ele se aloja nos órgãos internos, e a partir disso começa a se alimentar de seu sistema orgânico.

Em relação a sua conservação, não estão ameaçados de extinção atualmente, já que se fazem presentes em toda a parte do mundo. O que pode se apresentar como um provável risco futuramente, seriam as pescas de níveis mais profundos, do tipo varredura.

Algumas curiosidades sobre esse intrigante bichinho:

  • São também chamados de vacas-do-mar, devido a dupla estrutura tubular na parte superior do corpo.
  • No japão são feitos miniaturas de scotoplanes
  • Muitos apelidam este curioso animal como ET das profundezas oceânicas, pelas suas pseudoantenas e pernas que inflam para sua locomoção.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Aquáticos

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *