Comunidade Biológica

Comunidade biológica é o mesmo que biota ou que biocenose e tem o significado de conjunto de outras comunidades que habitam um determinado lugar. Esse lugar pode receber o nome de biótipo, que é o que representa uma região onde seja possível existir alguma comunidade, seja ela uma comunidade animal ou apenas uma comunidade vegetal, ou ambos. As comunidades são grupos de populações de espécies diferentes de um animal ou de uma planta, que vivem em um local em comum. Em termos geográficos, o biótipo é representado pela porção menor de um habitat, isto é, o biótipo pode ser considerado geograficamente como uma parte de todo um habitat em que podem conviver animais e plantas simultaneamente ou apenas animais ou apenas plantas.

Dessa maneira, em uma comunidade biológica podem ser encontradas diversas espécies de animais e plantas, uma vez que apesar de se tratarem de seres vivos diferentes e apresentarem espécies diferentes, convivem em um mesmo espaço físico e/ou geográfico.

Uma comunidade se mantém a partir de questões que abrangem as condições químicas e físicas do local, além da contribuição do próprio meio ambiente para a sua manutenção e sobrevivência. Uma comunidade já estabelecida não aparece de um dia para o outro. As coisas vão se transformando e se adequando às adversidades ao longo da evolução, de forma com que, no fim, seja obtido um equilíbrio energético entre todas as espécies naquele ambiente.

Sendo assim, em uma comunidade, o solo está de acordo com aquele clima e, por sua vez, a vegetação local também está adequada perante aquele solo em que ela se encontra. Esse solo deve conter as quantidades e as variações suficientes e necessárias para suprir a flora que reside ali. Outra característica do solo é a sua influência para com o próprio clima, interferindo principalmente no que está relacionado à sua umidade, à temperatura e suas variações ao longo do dia e também com relação à luminosidade.

Ao longo de anos de transformação e adequação do binômio solo e clima, que são os componentes não vivos de uma comunidade biológica, os serres vivos começam a sofrer influências das condições impostas tanto pelo solo quanto pelo clima. Ao longo desse mecanismo surgem e também somem muitas espécies, tanto de animais quanto de plantas, sendo que, seguindo a teoria da evolução do científico Charles Darwin, sobrevivem em uma comunidade os indivíduos que se adaptaram melhor às condições que aquele lugar impunha, fazendo com que a variedade diminuísse e que permanecessem os indivíduos que se demonstrassem mais específicos para aquele determinado tipo de ambiente. E, de acordo com essa teoria, foram assim que surgiram as espécies de animais e plantas específicas de cada porção do mundo.

No entanto, algumas espécies ainda apresentam a capacidade ou até mesmo a necessidade de migração, de acordo com as suas demandas ou com as demandas de seu grupo. Claro que, nesse caso, estamos falando de animais que têm a capacidade de se moverem e de irem à busca de melhores condições de sobrevivência. Após a migração e o aumento da circulação de pessoas ao redor do mundo, pudemos observar inclusive algumas alterações e adaptações tanto de animais como de plantas, de acordo com o ambiente para onde eram levados juntamente com os seres humanos.

Algumas comunidades biológicas em si acabam passando despercebida por nós, seres humanos, uma vez que a consciência de uma comunidade biológica em todos os seus aspectos são poucas pessoas que têm. No entanto, seus biótipos são muito conhecidos e muito explorados, inclusive, como florestas, rios, lagos, litorais, montanhas, grutas, dentre outros.

Além dos fatores não vivos que foram citados anteriormente, como os determinantes para o aparecimento e para o desenvolvimento dos seres vivos dentro da comunidade biológica, há outros fatores que determinam e que moldam as comunidades, como o oxigênio, as variações de temperatura, a intensidade e as variações de incidência da luz do sol, dentre outros. Fatores externos exercidos pelos seres humanos, principalmente, também afetam direta e indiretamente as comunidades biológicas, como a poluição não só do ar, mas também das águas e das matas, bem como o próprio desmatamento em si, que afeta todas as outras espécies de plantas e de animais também.

Já Biosfera é o nome que se dá ao conjunto de todos os ecossistemas que existem no planeta Terra. Quando esses ecossistemas se situam muito juntos um do outro, eles podem ser classificados e divididos nos chamados Biomas. Já o conjunto desses Biomas geralmente é chamado de Biorregião. Todas essas definições contribuem para a formação e o ciclo de cadeias alimentares do mundo, na tentativa de manter um equilíbrio entre todos os seres vivos existentes na Terra.


Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Informações

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *