Baiji

O Baiji também é conhecido popularmente como golfinho-lacustre-chinês ou golfinho-do-Yang-Tsé em referência ao local em que era encontrado, o rio chinês Yang-Tsé. De nome científico Lipotes vexillifer essa espécie de golfinho de água doce está extinta, comparativamente podemos dizer que ele se parece com o Boto encontrado na Amazônia.

A Extinção do Baiji

Considerado pelos chineses como uma manifestação de uma deusa de proteção para barqueiros e pescadores, o Baiji, foi desaparecendo conforme o seu habitat, o rio Yang-Tsé, foi sendo explorado para fins de industrialização e hidroeletricidade. O declínio significativo da espécie começou na década de 1980.

Em 2001 o governo chinês aprovou um pacote de medidas para conservar o Baiji, contudo, em 2006 a avaliação de uma expedição biológica concluiu que não havia mais nenhum Baiji no rio que contava com esses animais em abundância décadas antes. A espécie entrou para a história como a primeira espécie de golfinhos que o homem levou a extinção. Não se tinha registro da extinção de um vertebrado desde o desaparecimento do leão-marinho-japonês na década de 1950.

Após muitos anos sem avistar nenhum Baiji um homem chinês filmou alguns animais brancos nadando animadamente no Yang-Tsé. No entanto, mesmo com a certeza de se tratar de Baijis na imagem isso não muda o status de extinção uma vez que se trata de indivíduos em idade avançada e encontrado em número pequeno. Algumas instituições como a World Wildlife Found mantêm esperanças de que sejam encontrados indivíduos da espécie em boas condições para tentar reverter à extinção.

Características do Baiji

Um exemplar de Baiji pesava entre 135 e 230 quilos e media cerca de 2,3 metros. O tempo de vida de um golfinho desses era de cerca de 24 anos. Em relação a cor os indivíduos dessa espécie apresentavam um tom de azul pálido puxando para cinza na sua parte traseira e possuíam tonalidade branca em sua barriga.

Os olhos do Baiji são menores quando comparados com os golfinhos dos oceanos. Sua dentição era composta de 65 dentes em cada fila nas duas mandíbulas. A palavra ‘vexellifer’ que compõem o nome científico do Baiji significa ‘portador de bandeira’ que faz referência a sua barbatana dorsal que possui formato triangular e que parecia uma bandeira quando o animal empreendia seus mergulhos.

Reprodução

A época de reprodução da espécie se dava entre os meses de fevereiro e abril, sendo que a gestação durava entre 10 e 11 meses. A cada parto a mamãe Baiji tinha um filhote e havia o intervalo de dois anos para que ela se reproduzisse novamente. Os machos atingiam a maturidade sexual aos 4 anos de idade enquanto as fêmeas aos 6 anos.

Velocidade

O Baiji, numa situação de perigo, era capaz de nadar numa velocidade de até 60 km por hora. Contudo, a sua velocidade habitual não ultrapassava a faixa entre 30 e 40 km por hora.

Sistema de Sonar

Como citamos os olhos do Baiji eram pequeninos de maneira que ele dependia muito do seu sonar para conseguir se localizar e escapar de obstáculos. Porém, as funções do sonar para a espécie iam além sendo crucial também para a socialização e fuga de potenciais predadores. O formato do crânio do Baiji era especialmente positivo para a emissão do som. O ápice das emissões desses animais ficava entre 70 KHz e 100 KHz.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Aquáticos

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *