Sapo

Eles nascem com cauda, mas pouco tempo depois, a perdem ou melhor, as “trocam” por pernas. E não são simples pernas, mas com um “bônus”, são saltadoras. Estamos falando dos sapos, classificados como anfíbios. Além da cauda quando nascem, eles também conseguem respirar dentro da água, pois possuem brânquias, como os peixes. Porém, quando ganham as pernas saltadoras passam a viver na terra e por isso, a classificação de animais terrestres, mesmo que de vez em quando eles se aproximem da água novamente.

Aliás, a água é importante para manter a pele úmida e permitir que eles respirem. Se o sapo ficar seco por um longo período, corre o risco de morrer sem conseguir respirar.

A Importância dos Sapos

É bem verdade que diante de um sapo a grande maioria das pessoas torçam o nariz. Afinal de contas, não é um bicho que dá para se dizer que é simpático ou bonitinho, pelo contrário, porém, eles são de grande importância para o equilíbrio ecológico.

São os sapos que comem uma grande quantidade de insetos, o que ajuda muito no controle dos mesmos. Para se ter uma ideia de quantas moscas e mosquitos eles nos livram, por dia, um sapo adulto ingere o que corresponde a mais ou menos 3 xícaras lotadas desses insetos.

Eles não encontram muitos problemas para alcançar esses indesejáveis insetos, pois algumas espécies de sapos chegam a pular até 20 vezes mais alto do que o próprio tamanho.

Características dos Sapos

Beleza definitivamente não é o seu forte, normalmente, eles possuem a íris dos olhos redondas, são raros, mas podemos observá-las também na vertical ou na horizontal e mais diferente ainda, são os que as têm em formato de coração ou de triângulo.

O tamanho dos sapos também pode variar muito. O menor catalogado até hoje pode ser visto em Cuba, com somente meia polegada, enquanto o maior, pode chegar a 12 polegadas, sendo encontrado no Oeste da África. Na América Central o sapo que chama muita atenção é o de olhos vermelhos, cujo hábito é de deixar os seus ovos na água dos lagos sobre as folhas que ficam boiando.

Uma curiosidade sobre os sapos é que mesmo quando eles estão mergulhados na água, eles conseguem respirar e ver se deixarem uma pequena parte da cabeça para fora. Uma vez que narinas e olhos ficam bem naquela parte. Ressaltando que um sapo na fase adulta pode respirar pelos pulmões ou pela pele.

No mundo, são catalogados mais ou menos 4 mil espécies de sapo. Porém, em dois lugares, especificamente, eles não podem ser vistos, que são na Islândia e na Antártida. O lugar no mundo com o maior número de tipos de sapos é o Brasil, mais ou menos 500 espécies, o que representa 10% mundial. Uma boa parte dessas espécies fica na Mata Atlântica, cerca de 160 espécies.

Sapos Venenosos

Nem todo sapo é somente feio, ele pode ser perigoso, pois algumas espécies são venenosas. Na hora de descobrir de qual ou não ter medo, o tamanho não deve ser a referência. Alguns até mais simpáticos de aparência, podem estar entre os mais venenosos. Veja a lista!

1- Encontrado na América do Sul, o Dendrobates leucomelas é uma das espécies de sapo venenosas. Ele adora umidade e por isso é facilmente encontrado entre árvores e rochas. O veneno fica bem localizado sob a pele do sapo.

2- No Equador, na América do Sul e nos Andes podemos encontrar uma espécie de sapo que deixa claro que tamanho não é o problema. O Epipedobates tricolor cujo tamanho não supera 1 centímetro mesmo quando adulto, pode matar. O veneno que está escondido na sua pele tem o poder maior de 200 vezes uma dose de morfina.

3- O Dendrobates tinctorius fica da cor do lugar onde está escondido. Essa espécie é chamada de garimpeira e não supera 3 centímetros na fase adulta. É muito tóxico também e vive na América do Sul e Central. Ele costuma ficar escondido durante à noite e fazer suas atividades durante o dia.

4- Encontrada em grande quantidade na Amazônia e usada por alguns índios como “amuleto” contra a má sorte, a rã Phyllomedusa bicolor é muito venenosa. Quando uma pessoa é envenenada tem taquicardia, vômito e diarreia.

5- A Ranitomeya reticulatus mora na América do Sul e o seu veneno pode provocar péssimas consequências até mesmo de morte no caso dos animais e problemas de saúde graves, no caso dos homens.

6- Oophaga pumilio pode ser visto na Nicarágua e também no Panamá e na Costa Rica. É um tipo de sapo que pode se apresentar em várias tonalidades diferente, mas o seu veneno é perigoso em qualquer uma delas.

7- É justamente na cor do Dendrobates azureus que está o seu veneno e o ajuda a se defender de predadores. Ele também é chamado de sapo-boi azul por causa da intensidade do azul. Muito pequeno, cada sapo dessa espécie tem veneno suficiente que deixaria 10 pessoas mortas.

Há muito tempo atrás, sabendo do “potencial” do veneno, índios da Colômbia, o colocavam na ponta da lança.

8- A Phyllobates terribilis parece bem inofensiva, mas é considerada uma das rãs mais venenosas do mundo. Basta que o veneno dela entre em contato com a vítima que essa sofre parada respiratória. Uma única rã tem veneno suficiente para matar 100 pessoas ou 20 mil cobaias tamanho é o seu potencial. Para a nossa sorte, é uma espécie muito rara.

Os índios sabem o quanto são venenosas essas rãs e também as usam para deixar as flechas letais. Com muito cuidados eles as pegam com as flechas, pelas costas. Depois que esfregam bastante a ponta da arma nelas, as guardam e o veneno fica ali bem 2 anos, que pode ainda matar que for atingido.

Normalmente, na hora da captura das rãs, os índios protegem as mãos com luvas feitas com folha de bananeira.

O veneno dessa rã também pode ser usado para ajudar. Os pesquisadores estão fazendo estudos para a possibilidade de usar componentes para criar anestésicos e relaxantes para os músculos mais potentes. Com o veneno das rãs, eles seriam mais potentes do que a morfina.

Essa rã pode ser encontrada no Brasil, na Bolívia, no Equador, na Colômbia. Elas adoram calor e muita chuva.

O sapo é um anfíbio que vive perto de onde há água. Por ser um animal dependente da água, deve banhar-se de tempo em tempo a ponto de umidecer a sua pele, que é composta por uma membrana gelatinosa e lisa. Existem mais de 4800 espécies de sapo, alguns sendo venenosos e outros não. Os que possuem venenos, apresentam glândulas um pouco abaixo de suas mândibulas que servem de reservatório para a toxina. Seu tamanho pode variar muito de espécie para espécie, podendo ter entre 2 a 20 centímetros, na fase adulta.

Sua alimentação é baseada em insetos pequenos, terrestres ou voadores, já que é um anfíbio de porte pequeno, retêm-se à digestão de insetos menores. Utiliza sua  língua para obter a vítima, a qual, dependendo do tamanho do sapo, pode se esticar por cerca de 15 centímetros. É pegajosa, portanto faz com que o futuro alimento grude na língua e só se solte dentro de sua cavidade bucal.

Quanto à reprodução, os sapos machos coacham para atrair as fêmeas, que quando juntos, se abraçam e liberam suas gametas para a formação dos ovos (que circula em torno de 30 a 40 ovos). Um tempo depois, os ovos são quebrados e girinos (futuros sapos) saem na água, respirando através de brânquias, e movimentando-se através de caudas. Muitos desses girinos acabam eventualmente virando comida para peixes menores, porém os que crescem, começam a desenvolver as patas e perdendo sua cauda, se tranformando em um sapo adulto.

Se você gostou, confira ainda fotos de sapos, rãs e pererecas, outras engraçadas como do sapo pisca-pisca e o sapo na salada. Do curioso sapo azul e mais dados sobre a rã touro. E, também, curiosidades sobre o sapo.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Anfíbios

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *