Animais Que Falam

Muitos são os animais capazes de falar, ou seja, vocalizar sons com o intuito de imitar a voz humana. Além dos papagaios e as araras, há inúmeras outras aves que possuem a capacidade de imitar os sons humanos. As cacatuas, os corvos, e ainda os estorninhos podem fazê-lo de forma bastante eficiente. Outro animal que pode ser bem sucedido nessa empreiteira é a ave-lira, que não apenas pode imitar a voz de uma pessoa, como também pode fazer o mesmo som emitido pela buzina de um carro, por exemplo; situação bastante curiosa dentre os animais.

Determinadas aves tendem a reproduzir sons que costumam escutar no lugar onde estão inseridas. Elas são capazes de fazê-lo por meio de estrutura denominada siringe, que atua da mesma maneira que as cordas vocais nas pessoas. Desta forma, aves que habitam ambientes de cativeiro e que possuem relação com pessoas, imitam a voz das pessoas mais próximas.

Por Que os Animais Falam?       

O convívio com os seres humanos não é a única razão para os animais falarem. Especialistas no assunto dizem que os corvos e os papagaios, dentre outros animais, são aves muito espertas, com a capacidade plena de constituir condições de causa e efeito.

Caso percebam que, com a imitação de determinados ruídos, tendem a conseguir certas recompensas, repetem o que fizeram anteriormente. Ou seja: se todas as vezes que você pede “dá o pé louro”, seu animal corresponder ao pedido e ganhar um carinho ou um petisco irá fazê-los todas às vezes, sempre que se mostrar interessado no alimento ou no carinho.

O Elefante Falante

Recentemente, veio à tona na mídia internacional, a notícia de que havia na Coreia um elefante capaz de imitar de forma inteligente a voz humana. Isso criou grande alvoroço dentre os repórteres e especialistas em animais ao redor do mundo. Sua engenhosa capacidade versa em entortar sua tromba e volta-la para a boca para buscar dizer palavras humanas, atitude que apenas pode ter sido conseguida através do pensamento e da experimentação de formas para vocalizar os sons.

Fica claro que o animal prestou a atenção e estudou as maneiras e conversas daqueles com quem convive e nisto trabalhou com muito empenho, para que conseguisse a atenção dos mesmos. Não é necessário ser um especialista, nem tradutor de animais para compreender que, enquanto o elefante está falando: Olá ou sente-se em coreano, referindo-se a uma universal linguagem da amizade, sua mensagem quer realmente dizer: Estou aqui! Olhe para mim!

Até porque, que animal preso em cativeiro não tenciona ter sua liberdade de volta ou até mesmo ter uma família?

Este imenso animal inteligente e cinza foi um pouco a mais que o famoso macaco Nim Chimpsky, que aprendeu a linguagem de sinais americana, e que causou surpresa em Carl Sagan por dar um tchau. Além disso, ainda deu um passo à frente do feito pela baleia beluga, cansada de ficar em cativeiro imitava a voz humana de uma forma bastante interessante, dizendo a um mergulhador que saísse de seu tanque, e ele, achou que isso haveria sido dito por um de seus colegas de trabalho.

Muitas pessoas acham que os animais não possuem voz, porém, resta feito que possuem, mesmo estando muito mais acima de sua adaptação minuciosa frente às nossas palavras. Os animais “falam” a todo o momento, principalmente com seus pares. Acontece que não ouvimos essa troca de mensagem entre os animais, ou os achamos chatos demais, irritantes, nem respondemos ao chamado.

Muitas espécies são capazes de nos surpreender frente à enorme capacidade de se comunicar através de suas multilinguagens.

Os Elefantes

O barulhinho inaudível dos elefantes é utilizado para demonstrar aos demais animais, que estejam ao menos a um quilômetro de distância, que há nas redondezas, caçadores com armas, prontos a atacar. Os destaques empíricos sobre a capacidade do cérebro dos elefantes, fez com que os cientistas começassem a desenvolver um glossário atualizado da capacidade de comunicação do animal. Não apenas ronronando, mas retumbando, alardeando, cantarolando e gritando – todos esses ruídos possuem significados e significação específicos.

Por exemplo, assim que os bebês elefantes são pegos e tirados de suas mães em total desespero, para o cativeiro e sofrimento de um circo, é comum os tratadores relatarem que os animais recém-capturados têm frequentes pesadelos e mesmo em sono profundo, choram.

Entretanto, isso não acontece somente com os elefantes.

Cães

Estudos recentes apontam que os cachorros ficam bastante atentos naquelas pessoas que os domesticaram e que entendem, aproximadamente, duzentas palavras ditas por eles, sem que seja necessário o ensinamento de uma delas que seja.

Gatos

Todos que convivem com gato, quase que de forma instantânea, sabem a diferença existente existe entre um miau e outro, ou seja, aquele que quer dizer: “quero o meu leite” e o outro que diz “abra a porta para eu sair”. Um que demonstra haver algo errado na casa e outro som que mostra que alguém pisara em seu rabo. Da mesma forma acontece com os golfinhos, o que parece assobia ou somente um clique para nós, é na verdade, uma linguagem sofisticada e complexa partilhada entre os golfinhos, conforme estudo de especialistas.

Não apenas é privilégio dos corvos falar com seus iguais, cientistas descobriram que esses inteligentes pássaros utilizam suas asas e seus bicos para gesticular. No que isso é importante? É simples, os seres humanos enquanto bebês, antes de aprenderem a falar, fazem uso de gestos para conseguir ou querem ou, simplesmente para ter a atenção voltada para si, portanto, uma etapa essencial para chegar até a fala. Foi esta a primeira vez que os cientistas observaram gestos utilizados na natureza por aves e não por macacos.

Numa outra observação de campo foi descoberto pelos pesquisadores que papagaios na natureza utilizam chamadas únicas para dar nome aos seus bebês, que passam ter identificação própria. Quando se ouve chamar o nome, os demais papagaios podem até mesmo separar o gênero, da mesma forma a família, e o companheiro do qual faz parte o papagaio, igual fazemos quando alguém nos chama usando nosso nome.

Os ruídos emitidos pelos animais não podem ser considerados menos reais que os nossos. Todos eles possuem a capacidade de exprimir um sentimento, seja ele triste, alegre ou até mesmo de dor ou raiva.

Vídeo de animais que falam “de verdade”. Detalhe, estão aprendendo a falar em inglês mais fluente que nós. Hahaha.

Confira:

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Incríveis

Artigos Relacionados


Artigos populares

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *