Doenças Cardíacas Em Gatos e Cães

Ao contrário do que muitas pessoas possam pensar, os cães e os gatos também podem vir a sofrer com as doenças do coração e com a vida mais sedentária e alimentação inadequada a cada vez mais, eles apresentam as chamadas cardiopatias. Isso também vem a ocorrer especialmente pelo motivo de viverem durante muito mais tempo, em razão dos avanços da ciência que produz vacinas adequadas e também alimentação balanceada, levando a uma melhor condição de vida.

No entanto, as doenças cardíacas não estão necessariamente ligadas a idade, mas em grande parte dos casos isto vem a ocorrer. Assim, as doenças degenerativa e geriátrica dos pequenos animais tem uma importância a cada vez maior em nossa vida e sociedade.

Cardiopatias Mais Comuns Em Cães e Gatos

Dentre as doenças do coração mais frequentes nos cachorros, podemos citar a insuficiência cardíaca, a hiperplasia cardíaca caracterizada pelo aumento no tamanho do coração, a arritmia cardíaca e muitas outras.

Principais Sintomas

Os sintomas que se manifestam com maior frequência nos animais acometidos por algumas das doenças citadas são:

  • cansaço fácil
  • dificuldade respiratória
  • prostração e apatia
  • acúmulo de líquido nos membros e abdômen
  • língua arroxeada
  • desmaios
  • tosse seca

O diagnóstico correto para se saber qual das doenças está acometendo a saúde do animal é efetuado através de exames complementares, especialmente o eletrocardiograma, raio-x de tórax e o eco cardiograma.

É bom salientar que diagnóstico feito logo no início da doença é importante no sucesso do tratamento e consequentemente proporcional ao aumento de tempo de sobrevida do animal. Habitualmente as doenças cardíacas são consideradas doenças crônicas, ou seja, não há cura para as mesmas, apenas tratamentos satisfatórios e controladores, para que haja uma maior qualidade de vida do bichinho.

Quanto ao tratamento das doenças, ele é efetuado mediante o uso de medicamentos que acarretam uma melhora da função cardiorrespiratória, com isso, há um controle da pressão arterial, bem como a minimização do acúmulo de líquido no pulmão, e ainda a melhora da oxigenação sanguínea.

Outro fator que pode vir a influenciar a saúde do cão e gato é a herança genética, que pode pré-dispor, o animal a situações como obesidade. Além da genética, a idade, bem como o excesso ou a falta de exercícios físicos também contribuem para o agravamento do quadro, isso sem mencionar que algumas raças estão mais pré-dispostas a sofrer com essas doenças, como o Boxer.

Por isso, é muito importante que prestemos bastante atenção em nossos animais de estimação, especialmente em relação aos sintomas já citados e, ao menor sinal da doença, procurar ajuda de um veterinário de confiança. Com isso, quanto antes procurar ajuda melhor, já que com as cardiopatias não se brinca.

Por isso, controle com rigor o peso de seu animal, e ainda não o deixe preso em casa ou no apartamento, fazendo com o mesmo passeios regulares, desde sejam em horários adequados, especialmente no período da manhã. Além disso, evite alimentos que sejam de consumo humano, principalmente os industrializados, como os condimentados que possuem elevado teor de sódio e gordura.

Já para os gatos, as regras são as mesmas, mas como não é possível sair passeando com o bicho, o principal é proporcionar a ele atividades e brincadeiras dentro de casa. Como jogar e pegar bolinha, rolo de lá e tudo que puder proporcionar ao mesmo alguma atividade divertida e diária.

Mais Detalhes Sobre As Cardiopatias Em Animais

Os cães, bem mais que os gatos, apresentam com maior frequência um processo chamado de envelhecimento ou degeneração das válvulas cardíacas, especialmente a tricúspide e a mitral, conhecido particularmente como endocardiose ou ainda doença valvular crônica.

Essas lesões ocorrem especialmente em raças de cães de pequeno porte, especialmente o pinscher, poodle, yorkshire, dentre outros. Isso ocorre mais comumente com animais de idade acima de seis anos. Há ainda outra doença do coração que pode afetar os cachorros, a cardiomiopatia dilatada aparecendo mais em cães de tamanho maior, em raças como boxer, dobermann, dogue alemão, labrador, dentre outros.

Já os felinos podem desenvolver essas doenças também, especialmente a cardiomiopatia hipertrófica, cujo processo de evolução pode acontecer de maneira silente, manifestando-se quando a doença já está em sua forma mais grave. Os animais que têm o habito de frequentar regiões praianas podem vir a contrair uma doença chamada de dirofilariose, que é ocasionada por um verme que se abriga na artéria pulmonar e geralmente acomete o coração, especialmente o lado direito, sendo transmitido através da picada de mosquito.

Como é feita a avaliação cardíaca em pequenos animais: Gatos e cães devem passar sempre que possível, mesmo que não apresentem ou algum sintoma para uma doença correlata, por uma avaliação de rotina clínica. Muitos problemas cardíacos se manifestam de maneira silenciosa, por isso, o exame clínico feito por um veterinário é imprescindível no diagnóstico precoce da doença.

Caso o bichinho apresente algum sinal de cardiopatia deve ser encaminhado para que seja feito uma avaliação cardíaca apontando assim um diagnóstico mais preciso da lesão, bem como para que haja a implantação do procedimento de tratamento mais adequado.

Dentre os sintomas mais comuns das doenças cardíacas está a tosse. Em muitos casos este sintoma chega a passar despercebido pelos donos, pois em algumas ocasiões se apresenta de maneira bastante branda e se parece com um engasgo, sendo, desta forma, erroneamente diagnosticado como uma ingestão de alimento ou pelo.

Outros sintomas, como já dissemos, devem ser associados às doenças do coração como: intolerância ao exercício, cansaço, respiração cansada, aumento ou inchaço das patas, chamado ainda de edema de membros e ainda inchaço do abdômen, chamado de ascite, causado pelo acúmulo de líquido no abdômen; ou ainda de organomegalia causado por congestão, língua azulada ou arroxeada, síncopes ou desmaios, tonteira, ocorrência de convulsões, distúrbios do crescimento em indivíduos ainda filhotes e também na performance de cachorros já atletas.

A avaliação do coração em animais deve estar relacionada ao exame de rotina anual, especialmente para aqueles indivíduos com mais de seis anos, ainda deve estar inserida dos pré-operatórios como forma de prevenção. Aqueles pacientes que já mostram sintomatologia, devem ser avaliados visando começar o mais rápido possível a fazer o tratamento adequado, tendo como principal objetivo o retardamento e a evolução da doença.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Doenças

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *