Epilepsia em Cães

Nossos cães são nossas responsabilidades e isso vale não somente quando estão saudáveis e saltitantes, mas ainda quando adoecem, e apesar de não serem comuns, há diversas doenças que acometem os seres humanos e os cachorros, como a Epilepsia. Para quem não sabe, a Epilepsia Canina existe sendo percebida primeiramente quando o cão apresenta as primeiras convulsões, preocupando demais os donos do animal.

O Que é a Epilepsia Canina

Epilepsia canina é uma pequena disfunção cerebral, que faz com que o cachorro tenha diversas convulsões de maneira incontrolável. Além de outros malefícios, a doenças pode ocasionar a perda da consciência, perda de controle das funções do intestino e bexiga e ainda a salivação excessiva. Independente de qual seja o número de convulsões de seu cão, seja a primeira ou a última, as ações que forem tomadas fazem toda a diferença.

Epilepsia em cães: Sintomas

Assim como qualquer outra doença, a epilepsia em cães pode variar de intensidade e de número de convulsões, de acordo com a resposta do animal à doença. Em determinados casos ela pode se mostrar “fraca”, e quando assim se apresenta, o animal se mostra desatento, não focando a atenção em nada, mesmo aquilo que anteriormente lhe interessava, nem mesmo em brincadeiras e situações que ocorrem a seu redor. Ele apresenta um comportamento estranho, totalmente a parte do ambiente normal.

Caso o cão apresente a epilepsia em um grau mais elevado, o animal pode sofrer diversos problemas especialmente alucinações, fazendo com que ele tenha um comportamento totalmente diferente dos demais cachorros. A epilepsia pode causar desmaios, além de contrações musculares diferenciadas por todo o corpo do animal, sendo que durante as contrações o animal pode se jogar no chão e sofrer espasmos corporais violentos, levando ao desespero toda a família.

Epilepsia Canina: Causas

As causas mais comuns que podem proporcionar o aparecimento da Epilepsia nos cães são:

– As diversas doenças que podem afetar o sistema nervoso do animal, podendo causar a epilepsia.

– Intoxicação ou envenenamento por produtos químicos.

– Doenças cerebrais como os tumores, por vezes também podem causar as convulsões em cachorros.

– Batidas fortes na cabeça, como os traumatismos cranianos, podem causar ataques epilépticos e convulsões.

– Doenças relacionadas ao fígado, também chamadas de hepáticas.

Procedimentos Que Devem Ser Seguidos Quando Um Cão Sofre Convulsão

– A primeira coisa a ser feita é tentar a todo o custo ficar calmo, isso é muito importante para poder socorrer o animal adequadamente, mesmo que isso seja um tanto difícil. Seu cão depende exclusivamente de você para se cuidar, então, tenha com ele o mesmo procedimento que teria com uma criança pequena.

– Perceba qual o tamanho da convulsão. Isso só pode ser medido através do tempo que ela demorar para terminar. Esse tempo é muito importante que seja medido.  Desde a primeira vez em que seu cachorro tiver a convulsão, ele deve receber um exame clínico completo que compreende a parte física e um específico de sangue, tudo com a maior rapidez possível. Isso deverá ocorrer para que logo se possa descobrir qual a causa de tal manifestação, não sendo necessário que o cão volte ao veterinário a cada vez que apresentar o sintoma, somente se o caso se agravar e ele tiver várias convulsões em sequência.

– Sempre que seu animal tiver uma convulsão limpe a área onde ele estava e todo o seu redor, já que a higiene é um fator que pode ajudar e muito no tratamento dele. Além disso, certifique-se de que não haja nada próximo a ele com o que possa se machucar durante a convulsão, como vasos, vasilhas, vassouras e outros itens.

– Quando o animal estiver convulsionando, coloque uma toalha sob a sua cabeça, pois isso pode prevenir que ele bata com força a cabeça no piso ou em outros lugares.

– Tome cuidado para que seu cãozinho não inale algo, e caso ele esteja próximo a inalar algo, ele pode entrar em choque e ainda sofrer muito mais danos. Observe que os cachorros não engolem suas próprias línguas, ao contrário do que acontece com os humanos.

O Que Fazer Logo Após a Crise Epilética

Quando a crise estiver terminado, aí é que a recuperação começa. Para que o tratamento  seja de fato eficiente há alguns passos que devem ser seguidos:

– Aumente a ingestão de açúcar por seu cão, já que baixos índices de açúcar no sangue podem ocasionar a convulsão.

– Logo que seu animal recuperar a consciência, após um episódio de convulsão, dê a ele o alimento Breyers All Natural Vanilla Ice Cream de acordo com a dosagem recomendada, ou seja, para cães de pequeno porte uma colher de chá, cães de porte médio uma colher de sopa e, para cães grandes, duas colheres das de sopa do produto. Apenas este pouco de sorvete já poderá restaurar os níveis de açúcar no sangue do animal. Após alimentar o cachorro com o sorvete, alimente-o também com duas mãos cheias de sua ração normal, ou caso esteja acostumado, pode ser comida como arroz, por exemplo. Dessa forma os níveis de açúcar se manterão estáveis. No entanto, não deixe que seu animal coma depressa demais, para que não se engasgue.

– Fique um pouco com seu cão logo após a crise, pois há casos em que ela se repete, e dessa forma ele também se sentirá amparado e seguro.

Formas De Lidar Com a Doença

– Faça um pequeno arquivo sobre as crises, descrevendo quando começaram, qual o tempo aproximado de duração, o que o cão comeu naquele dia e como tinha se comportado até o episódio. Anote a hora, data e qualquer outra observação que achar importante.

– Leve o cão ao veterinário periodicamente, especialmente quando o animal  tiver a primeira convulsão, mais de uma convulsão ao dia, se a convulsão tiver duração prolongada e com mais de cinco minutos.

Tratamento

Procure um veterinário que seja de sua confiança assim que as crises começarem. De acordo com o diagnóstico feito, o veterinário poderá recomendar que o cão tome remédios periódicos especialmente para as convulsões, ou melhor, para que elas não aconteçam. Geralmente, neste tratamento, o objetivo maior é diminuir ao máximo o número de convulsões para que o animal tenha a vida mais normal e saudável possível. Para que isso ocorra, siga sempre os conselhos do veterinário sobre o melhor modo de tratar a doença e as convulsões de seu cachorro.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Doenças

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Comentários

  • Acredito que exista um tratamento mais adequado para estes problemas nos cães no entanto todos nós sabemos que existem poucas pessoas que se importam com os animais em geral por isso o que vejo no dia a dia nas ruas são animais totalmente mautratados por nós seres humanos esses é o meu pensamento e onde existe governo metido exite roubo interrese apenas no bem estar deles instituições criados apenas para ficarem ricos. ficaria o tempo todo digitamdo mais sei que não vai adiantar mais o meu pensamento é esse. grato por me ouvir caso recebam retornem para conversarmos

    Narciso Dominguez Estevez 22 de outubro de 2012 16:59
  • Concordo com vc em todos aspectos, pois em primeiro lugar com certeza tem que haver em alguma parte do mundo um tratamento mais adequado, pois a minha cadela, mesmo sendo tratada, tomando seus remédios regularmente, mesmo sendo assistida pelo seu veterinário, ela não deixa de ter uma serie de ataques todos més,e a medida que o tempo passa só faz piorar…
    Em segundo, vc está completamente certo em ligar a figura do político a de uma ladrão, todos concorrem a uma vaga, para adquirir estabilidade e roubar, não para ajudar de fato a população humana e animal.
    Nada o governo faz para ajudar os animais, não ajuda os abandonados, os hospitais veterinários da Universidade Federal, quase que não atende por falta de equipamentos e medicamentos,não sem tem hospitais públicos veterinário, pois sem este muitas famílias sem condições financeiras se endividam em clínicas veterinárias para socorrer seus animalzinho ou outros donos que sabendo que não pode pagar não os levam para o veterinário.também Nada é feito em relação as pesquisas e estudos de doenças de animais, a medicina veterinária esta obsoleta, não é possível que depois de tanto avanço tecnológico e na medicinal humana, não sem te uma tratamento mais eficaz no controle ataques.

    Prsicila 9 de junho de 2013 7:50
  • Eu tenho uma cadela que tem epilepsia, eu trato com homeopatia e as crises estão diminuindo bastante, as vezes ela fica até até três meses sem ter. O nome do remédio e Belladona 6 ch . De 5 gotas 3 x ao dia durante. 15 dias. Quando estiver na crise, encha uma seringa de 10ml com água e 10 gotas de Belladona , de aos pouco na boca do cão que a convulsão vai passando. A minha cadela está bem melhor. Quando passar a crise, de mais 15 dias a Belladona como o anterior. Foi um médico homeopatia, que r eceitou. Felicidades para todos os cães e donos.

    Maria Antônia Marques 21 de outubro de 2013 19:01
  • Ola meu nome e Janaina há 2 anos meu cachorro e epilético já toma gardenal de 100 brometo de 260 fico feliz qdo há intervalode 2 meses mas ,qdo esta cada um em um mês me preocupo muito com hj,ele teve 2 em seguida eu não sei mais que fazer,do remédio na hora certa,nao deixo ele comer besteira,saio com ele na pracinha,meu vet me cobrou 1.000 pra castra lo, mas tenho medo na hora da castraçap com anestesia ele venha ter convuçoes e vim há obto,na hora da cirurgia,queria conversa com pessoas tem esse mesmo problema,eu amo meu neném..nao vou desistir dele…

    Janaina de Lima 2 de dezembro de 2013 17:42
  • Tenho um cãozinho vira lata, que é uma alegria só! Mas com 2 anos ele apresentou a primeira crise. eu quase morri!!iNão sabia o que fazer, pensei que fosse um derrame, um AVC, ataque do coração. Corri pro veterinário, foram super atenciosos! Primeiro, ele tomou um remedio homeopático para cães. Resolveu por um mês. Aí, eu parei. Na mesma semana, ele teve 2 crises, no mesmo dia. A veterinária entrou com fenobarbital. Já tá tomando a 4 meses, de 12 em 12 horas. Mas, hj ele teve outra crise. Enfim, vamos ter que conviver com isso, e ir tratando da melhor forma possível, pra ele ter uma vida o mínimo normal!
    Amo vc Zeke!!

    Viviane de oliveira 16 de dezembro de 2013 17:06
  • Tudo indica que meu cãozinho esteja com essa doença ele n se bate nem treme, mais o veterinário disse que pode ser , ele fica paralisado duro vomita e apaga, com o olhar fixo, respiração difícil. Já é a segunda vez esse mês , não sei o que fazer , ele ta tristinho e fica gemendo como tivesse com dor . To aqui só Deus sabe

    Monique 29 de Março de 2014 9:29
  • Possuo dois labrador um macho de 2 anos e meio(amarelo) e,uma fêmea de 7 meses (Preta)O macho por sua vez apresentou a epilepsia canina,com uma frequência de 30 a 30minutos.Tratamos ele em uma clinica veterinária e,a epilepsia encontra-se controlada sem crises convulsivas.Mas no entanto ele perdeu a capacidade de se sustentar nas patas traseiras,pelo fato de ser um animal de porte e peso elevado.Esta ocorrência e comum?

    Pedro coronas de Souza 19 de setembro de 2014 12:51
  • Minha cacahorra apresentou epilepsia tbm, e sinto falta de um profissional especializado nisso em Sao Jose do Rio Preto, se alguem souber de um me avisa fazendo favor …. um veterinario que atendeu minha dog receitou o gardenal mas mesmo assim ela ainda tem algumas crises por mes. Me falaram sobre um remedio que chama Revimax , pra ajudar no tratamento e vida do animal. alguem sabe algo sobre ele ?

    carla dias 22 de setembro de 2014 12:22
  • Bom dia. Tenho um cão que tem crises convulsivas periódicamente. Toma medicação diária (2 tipos) e mesmo assim está dificil controlar a situação!
    Não sei o despoleta estas crises e no local onde vivo não hgá nenhuma clinica que possa fazer exames complementares. Ele foi recolhido da rua e a antiga dona disse sempre que ele nunca teve estes ataques. No entanto, ele é um pouco desorientado e “há momentos” em que se desliga do mundo.

    Fátima 29 de setembro de 2014 7:06
  • Tenho uma cachorrinha chamada Dara que começou com estas crises de eplepsia, meu veterinário disse que não tem cura, mas tem como controlar através de medicamentos, mas mesmo assim, continua dando as crises.
    É preciso que esses profissionais em veterinária estudem o caso com mais atenção para dar um ponto final ao
    sofrimentos destes pequenos animais que dependem de nós.

    Artur 5 de outubro de 2014 9:13
  • O meu cão tambem começou a ter episódios de epilecsia e o meu vetrinário receitou BIALMINAL 100mg e desde que toma o medicamento que nunca mais teve.Chegou a ter episódios várias vezes seguidas,até metia dó.

    vasco neves 6 de outubro de 2014 18:14
  • Meu cão tem epilepsia do tipo pequeno mal, com crises parciais complexas. Pela apresentação clínica, creio que sejam crises de lobo temporal (fazendo uma analogia com humanos).
    O que gostaria de contribuir e ressaltar é que não há apenas um tipo de epilepsia e que a apresentação clínica das crises podem variar muito. Desta forma, não creiam no que ouvi de vários veterinários: “seu cachorro não tem convulsão porque para ser convulsão ele teria que se retorcer, cair no chão, uivar e salivar”…. Uma explicação destas é lamentável!!!!!
    Também é inacreditável o que foi escrito nesta reportagem acima, a qual tinha por objetivo trazer esclarecimentos: “Observe que os cachorros não engolem suas línguas, o que ocorre com humanos”…. Esta frase é mais lamentável ainda!!!!!! Epilepsia e convulsão NÃO FAZEM NINGUÉÉÉM ENGOLIR A PRÓPRIA LÍNGUA!!!!!! Nem humanos e nem cães, gatos, mamíferos! Por favor,….são estas informações e muitas outras sem nenhum embasamento fisiopatológico que nos são fornecidas tanto por veterinários quanto por sites como este….
    Obviamente, em decorrência disso, os pobrezinhos dos nossos cães ficam sendo expostos a um péssimo atendimento, sendo obrigados a conviver com sintomas que poderiam ser controlados e a ter uma pobre qualidade de vida….
    Realmente, cada vez mais me decepciono com a qualidade da formação de veterinários…com pouquíssimas exceções, obviamente….
    Eu, que resido no interior do estado, acho que fico em ainda pior situação…..

    Marilia 30 de Abril de 2015 21:06
  • boa noite tenho uma pincher ta com anosela ta dodoi mas de dias mas agora ta se alimentando bem mas fraquinha ja esta tomando uma vitamina,so que qndo foi ontem dia de julho hras da madrugada deu uma crise caiu e ficou dura e babando se entortando toda ninguem aki de casa sabia o q era deu vezes de madrugada mas depois voltou a normal ,qndo foi hj dia de julho deu vezes ate agora e fumos descobri que é epilepsia gostaria que vcs me indicasse um bom remedio pra q isso se resolva

    eliane 5 de julho de 2015 22:50
  • Meu cachorro teve hoje 5 dessas convulsões…eu já não sei mais o que fazer, essas convulsões duraram mais ou menos 30 segundos. Ele tem apenas 2 anos 🙁
    estou com muito medo, essa hora não tem veterinário aqui, estou lendo muito aqui sobre epilepsia…alguém poderia me ajudar?

    Emanuelle Soares 24 de outubro de 2015 19:28

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *