Curiosidades Sobre Os Vagalumes

Os vagalumes são insetos que encantam muitas crianças. São animais bem pequenos, medindo entre 10 e 20 milimetros, diferenciando entre macho e fêmea.

O grande atrativo do vagalume é por emitirem uma luz, que serve como atrativo sexual. Esses animais se alimentam de lesmas e caracóis.

Nome científico do Inseto Vagalume e Família

Os vaga-lumes ou pirilampos são insetos coleópteros das famílias Elateridae, Fengodidae ou Lampyridae, notório por suas emissões luminosas. As larvas alimentam-se principalmente de vegetais e outros insetos menores. A espécie mais comum no Brasil é a Lampyris noctiluca, na qual apenas os machos são alados.

Curiosidades do Vagalume

A emissão de luz realizada pelo vaga-lume é chamada de bioluminescência e visa a comunicação biológica. Ela é feita por certas espécies de insetos, algas, peixes, bactérias, fungos, celenterados, anelídeos e artrópodes, sendo os vaga-lumes os mais conhecidos. Existem, ao redor do mundo, aproximadamente duas mil espécies de vaga-lume, das quais cerca de 500 podem ser encontradas no Brasil, o país de maior diversidade destes insetos. “Estima-se que outras duas mil espécies não descritas estejam ainda para ser descobertas em nossas matas”.

Apesar de sua importância para o equilíbrio ecológico e para estudos na área de biotecnologia e biomedicina, os vaga-lumes estão desaparecendo. As principais causas são a poluição, o desmatamento e o aumento da presença de luzes artificiais em áreas onde, antes, os vaga-lumes se localizavam. “O vaga-lume utiliza a própria luz para encontrar seu parceiro sexual. Quando há um aumento das luzes artificiais, ele não consegue enxergar a luz do sexo oposto e não consegue se reproduzir. A continuidade da espécie fica, então, comprometida”.

O que os vagalumes comem?

Os vaga-lumes são besouros e podem ser classificados em três famílias: os lampirídeos, ou pisca-pisca, que têm estágio larval de cerca de um ano, no qual se alimentam de caramujos, e fase adulta, que dura apenas um mês; os elaterídeos, conhecidos como besouros tec-tec, cuja larva, que se alimenta de insetos, dura até dois anos, e o adulto até dois meses; e os fengodídeos ou larvas trenzinho, que são os vaga-lumes mais raros. Estes últimos, encontrados apenas na América do Sul, além de produzirem luz verde-amarelada por fileiras de lanternas ao longo do corpo, são os únicos que produzem luz vermelha, localizada na cabeça. A larva, que se alimenta de piolhos-de-cobra, dura dois anos e o adulto, em média, uma semana. “Estes resultados correspondem aos insetos criados em laboratório”.

As famílias de vaga-lumes podem utilizar sua luz para diversas funções. Todas as emitem, principalmente, para atrair parceiros sexuais. O trenzinho e o besouro tec-tec a utilizam também para assustar predadores – emitindo um sinal improvisado – e as larvas do último, emitindo luz contínua, ainda podem usá-la para atrair uma presa. “As larvas de algumas espécies de besouros tec-tec infestam cupinzeiros da região central do Brasil, os quais ficam repletos de centenas de pontos luminosos, dando a aparência de prédios iluminados durante a noite”. De um modo geral, as cores das luzes dos vaga-lumes variam do verde-amarelado ao vermelho. “Apenas poucas espécies de trenzinho são capazes de produzir luz vermelha e as larvas de alguns mosquitos, encontrados em regiões temperadas, produzem luz azul”.

Mas Como o Vaga-lume Acende e Apaga? Qual é a Origem Da Sua Luz?

Este fenômeno se chama bioluminescência. O que acontece é o seguinte: no abdome deste curioso inseto há uma reação química entre duas substâncias presentes no corpo do vagalume, a luciferina (uma classe de pigmentos responsável pelas emissões luminosas) e o oxigênio. O resultado desta reação é a oxi-luciferina, que é uma substância luminescente. Esta iluminada reação é a responsável pela luz dos vaga-lumes.

As piscadas do vaga-lume são uma forma de atração sexual! Enquanto muitos insetos se comunicam através de feromônios, os vaga-lumes atraem seus parceiros pelas piscadas.
Outro motivo pelo qual o vagalume pisca, é para espantar predadores e atrair algumas presas.

Características Gerais do Vagalume

O vaga-lume é um inseto coleóptero que possui emissões luminosas devido aos órgãos fosforescentes localizados na parte inferior do abdômen. Essas emissões luminosas são chamadas de bioluminescência e acontecem em razão das reações químicas onde a luciferina é oxidada pelo oxigênio nuclear produzindo oxiluciferina que perde energia fazendo com que o inseto emita luz.

Outro fator que impulsiona emissões luminosas é o de chamar atenção de seu parceiro ou parceira. O macho emite sua luz avisando que está se aproximando enquanto a fêmea pousada em determinado local, emite sua luz para avisar onde está.

Na reação química, cerca de 95% aproximadamente da energia produzida transforma-se em luz e somente 5% aproximadamente se transforma em calor. O tecido que emite a luz é ligado na traqueia e no cérebro, dando ao inseto total controle sobre sua luz.

Infelizmente, os vaga-lumes estão ameaçados pela forte iluminação das cidades, pois quando entram em contato com essa forte iluminação, sua bioluminescência é anulada interferindo fortemente na reprodução, podendo até serem extintos.

Por Que Os Vagalumes Acendem?

Na certa uma questão intrigante que nem damos tanto valor pode ser uma coisa primordial na natureza

Quem nunca viu, pessoalmente, na TV ou em fotos, uns bichinhos muito curiosos que brilham no escuro? São os vaga-lumes ou pirilampos. Eles produzem luz principalmente por dois motivos:

  1. Para se defender e se reproduzir. Imagine um louva-a-deus aproximando-se de um pequeno vaga-lume “apagado”. Este não teria chance de escapar. Mas, quando ele acende sua “lanterna”, acaba assustando esse predador.
  2. Os lampejos também são utilizados para atrair o sexo oposto na hora da reprodução. Para gerar luz, várias reações químicas acontecem no corpo do inseto, consumindo uma grande quantidade de energia e também oxigênio, que são usados como combustível. A cor da luz varia de acordo com a espécie do vaga-lume e é determinada por pequenas variações nos compostos que participam das reações químicas.

Na reação química, cerca de 95% aproximadamente da energia produzida transforma-se em luz e somente 5% aproximadamente se transforma em calor. O tecido que emite a luz é ligado na traquéia e no cérebro dando ao inseto total controle sobre sua luz.

Infelizmente, os vaga-lumes estão ameaçados pela forte iluminação das cidades, pois quando entram em contato com essa forte iluminação, sua bioluminescência é anulada interferindo fortemente na reprodução podendo até serem extintos.

Os vaga-lumes são besouros de um tipo especial, pois emitem luz. Há três famílias diferentes de vaga-lumes — os elaterídeos, os fengodídeos e os lampirídeos –, que se distinguem, entre outras coisas, pelo lugar onde ficam os órgãos luminescentes e pela freqüência e cor da luz emitida.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Curiosidades

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Comentários

  • Aqui no Brasil onde estão estes animais , e porque sumiram aos longos dos tempos ??? O que ouve !

    vlaudinei 9 de abril de 2015 20:55
  • Boa noite!
    Moro em Fortaleza e em uma noite apareceu um vaga-lume na escada da minha casa. Não conseguia voar e não sabia o que fazer para ajudar, pois ele nem andava, só brilhava muito e mexia suas antenas. Fiquei penalizada pelo bichinho. O que fazer quando um inseto desse aparece nessas condições?

    Emanuelle 14 de abril de 2015 23:33
  • Os vaga-lumes estão sendo extintos por causa da poluição e da forte iluminação das cidades. Quando a bioluminescência deles entra em contato com essa forte iluminação a bioluminescência é anulada, prejudicando na reprodução desses insetos.

    Júlia 14 de maio de 2015 14:53
  • acabei de soltar um que entrou no meu quarto chega essa época eles aparecem pelos arredores da minha casa devido ao terreno baldio que tem atrás… são muito lindos da até uma pena de deixar ir embora hehe

    larissa ferreira 23 de outubro de 2015 5:24

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *