Cachorro Alérgico a Ração

Os cachorros, e não só eles, os gatos também, podem ser alérgicos a ração. A chamada alergia alimentar conhecida também dermatite trofo alérgica ou hipersensibilidade alimentar, segundo pesquisas, atinge, em média 10% dos cães e gatos, o que corresponde a 5% do provocado especificamente pela ração. O problema é tão sério que fica em terceiro lugar, em tipo de alergia mais comum que ataca cães e gatos.

Os cachorros alérgicos a ração apresentam hipersensibilidade que é dividida em três tipos: II, III e IV e a alimentar de antígenos, neste caso, se apresenta por glicoproteínas.

Sobre esses antígenos são “macromoléculas proteicas hidrosolúveis”, e quando o cão ingere a ração, o peso molecular acima de 7500 daltos, faz com que a mucosa do intestino faça a absorção causando falhas na barreira do órgão.

Esse tipo de substância é chamada de antígeno porque ela ocasiona falha no sistema imunológico. Exemplificando, o processo que provoca a alergia do cão a ração, o intestino tem uma barreira cuja a secreção é Ig A de mucosa, isso faz com que tenha o muco e células epiteliais bem próximas umas das outras. Essa “organização” é afetada quando o cão ingere o produto.

Ração Que Pode Causar Alergia nos Cães

O que está dentro do pacote da ração, isto é, alguns integrantes do produto é que podem causar a alergia nos cães. São considerados alérgenos os seguintes alimentos: soja, carne bovina, frango, milho, leite, conservantes e trigo. Um ou mais item desses é que pode ser o responsável pela cocção e prejudicar o processo digestivo do cão.

Um cachorro pode sofrer um processo alérgico desencadeado pela ração em qualquer momento, com qualquer idade. Porém, os casos mais frequentes, 50% deles, são observados naqueles mais novos, que ainda não completaram 1 ano de idade.

Além disso, segundo os veterinários, mesmo se tratando de um produto que o cachorro já consumia há muito tempo, que não tenha existido nenhuma mudança de hábitos na alimentação do animal, a alergia, pode sim, simplesmente “aparecer”. Por isso, o conselho dos profissionais é desconfiar da alimentação sempre, em casos de alergias, pois ela pode demorar de meses a anos para que os sintomas apareçam.

As Raças de Cachorros Que São Mais Predispostas

Qualquer cachorro de qualquer raça pode ser acometido por uma alergia provocada pela ração que ele está ingerindo, porém, algumas raças são mais predispostas, são elas: collie, cocker spaniel, boxer, schnauzer, poodle, west highland, shar pei, teckel e lhasa apso.

Os primeiros sintomas de que um cachorro está sofrendo com alergia alimentar são: prurido intenso, mormente nas orelhas, axilas, na face, nos membros e nas ventrais do corpo. Também podem surgir piodermites secundárias e malasseziose cutânea.

Na maioria dos casos, os cachorros também apresentam disqueratoses. Num grupo de 10% a 15% de cães quando apresentam dermatite trofo-alérgica surgem: diarreia, emese e cólicas intestinais intermitentes.

Nas lesões os cachorros ainda apresentam, alopecia disseminada ou focal, crostas, pápulas, eritema, liquenificação ou hiperqueratose, ressecamento cutâneo, untuosidade e descamação.

Como é Feito o Diagnóstico de Alergia Alimentar

Existe uma única maneira de se ter certeza de que um cachorro é alérgico a determinada ração, fazendo o que os veterinários chamam de “dieta de eliminação”, que deve durar entre 10 a 13 semanas. Para isso, o dono do cão deve colocar alimentos que o animal nunca comeu antes, como por exemplo, carneiro, peixe, coelho, arroz, ovos, entre outros. Neste período o cão não deve comer nada “extra”, como por exemplo, ossos industrializados.

Segundo os veterinários, não é aconselhável aplicar a “dieta comercial” nos cachorros para diagnosticar a alergia, pois o animal pode acabar com uma contaminação mais grave.

Segundo vários estudos realizados sobre a alergia que a ração pode provocar nos cachorros, normalmente, quando há suspeita, entre 15% a 50% fica confirmado que o animal é realmente alérgico.

Quando passa o período do teste e se tem uma melhora do cachorro, isto é, ele se livra dos sintomas da alergia, inicia-se uma nova fase, que deve durar 14 dias, cujo as refeições devem ser pensadas como dieta caseira.

Caso contrário, passado o período de teste para tentar identificar a alergia, o problema se agravaar, com lesões e aumento no prurido, o animal poderá está com um problema alérgico de maior grau. Neste caso, é mais indicado procurar um veterinário o quanto antes e relatar o problema e também a fase de testes.

A Dieta dos Cachorros

Alguns donos de cachorros, ao desconfiar que o animal é alérgico as rações, começa a dieta de eliminação, mas não volta para a dieta normal, com medo de que o problema retorne. Porém, para dar continuidade a esse processo é necessário encontrar o balanceamento correto da dieta. Pois caso o contrário, essa alergia pode se tornar mais forte no futuro.

Os veterinários fazem testes sosrológicos, quando suspeitam que o cachorro tem algum tipo de hipersensibilidade alimentar. O motivo principal para fazer o teste é: para ter uma ideia mais ampla do tipo de alergia que o animal possa ter desenvolvido. Além disso, usam os antígenos, que servem para modificar a estrutura molecular e completam com testes mais simples.

O Tratamento da Alergia Em Cachorros Provocada Pela Ração

O primeiro passo é a identificação dos alérgenos e em seguida, a eliminação dos mesmos na dieta. Para fazer isso é usada a dieta caseira, que é pensada visando o que foi “mostrado” com a exposição provocativa.

É muito importante ressaltar que o ideal entre carbohidratos e proteínas na dieta de um cão é de 1 por 1. Além disso, o carbonato de cálcio também entra na dieta, assim como ácidos graxos, sais minerais e outras vitaminas.

São usados medicamentos anti-pruriginosas, como glicocorticóides ou anti-histamíncios para que o cachorro consiga se livrar do prurido. A dieta não deve ultrapassar 15 dias e não pode ser feita com menos de 10, para que fique claro o efeito da ração.

Além disso é importante que seja feita a medicação paralela dos problemas que também surgem com a alergia, que são: as piodermites, a malasseziose, as otites ou disqueratose. A receita é feita de acordo o quanto é grave ou menos cada um dos problemas citados.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Alimentação

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *